Capital do Norte

FullSizeRender 27Capital da República Popular da China desde do século XV, Beijing é o centro político, cultural e educacional do país mais populoso do mundo.  No coração da cidade, uma outra cidade, proibida para todos que não eram ligados ao imperador, foi construída entre os anos de 1402 e 1420. A partir da Dinastia Ming a Cidade Proibida serviu de residência para o imperador, sua família e empregados especiais, únicos com permissão de adentrar os portões que circundam a região do palácio. PessoasFullSizeRender 8
não autorizadas eram sumariamente executadas caso tentassem entrar na Cidade Proibida. Atualmente, a cidade é considerada patrimônio mundial da humanidade pela UNESCO.  Infelizmente, a Cidade Proibida estava fechada ao público nos meus dias em Pequim devido a visita de algum chefe de estado. As ruas estavam bloqueadas e o acesso a maioria dos prédios da região central restrito. Faço dessa uma desculpa para retornar.  Como se eu precisasse de pretexto…

Beijing é uma cidade grande, a segunda mais populosa da China (perdendo somente para Xangai) e é extremamente organizada. Achei as ruas bem limpas, levando-se em consideração a quantidade de pessoas que circulam por elas todos os dias. A malha do metrô é bem abrangente e com informações tanto em inglês como em chinês.  Um lugar que eu definitivamente conseguiria morar e me sentir praticamente em casa, afinal de contas, eu tenho uma queda pelas capitais.

FullSizeRender-6A coisa mais disputada em Pequim, contudo, passa longe dos belos monumentos. Tanto turistas estrangeiros como chineses querem mesmo é saborear o famoso pato assado servido desde a época imperial.  Conhecido também como pato de Pequim, ele vem servido junto com uma espécie de pão e molho agridoce. A pele fininha e crocante apraz até os paladares mais refinados. E para terminar, eles te entregam todos os ossos, que é para não sobrar nada mesmo.

E por falar em comida, mas não tão disputada assim, os espetinhos de escorpião, estrela do mar, aranha e quase todo animal exótico que você puder pensar podem ser degustados na famosa Wangfujing snack street. Talvez eu tenha me expressado mal, deixe-me corrigir.  A comida não é muito disputada (eu não vi ninguém devorando avidamente um espetinho de pupa de inseto), mas a ruazinha onde se vendem essas iguarias está sempre lotada. Curiosos de todas as idades e países se aglomeram para tirar fotos dos churrasquinho exóticos expostos em quase todas as barraquinhas. Mais que uma curiosa, eu decidi me arriscar e experimentar alguma guloseima irresistível. Depois de me decidir sobre o que iria comer, fechei o olho e mandei brasa. Até que escorpiões fritinhos não são tão ruins. Têm gostinho de chips. Mas venhamos e convenhamos, nossos hábitos nos pregam peças. Degustamos camarões inteiros sem nenhuma cara de nojinho (ainda achamos chique). O camarão não é o bicho mais bonito do planeta e pensando bem, no espeto com casca e tudo parece tão repulsivo quanto o escorpião.

IMG_1319Tirei um dia inteiro da minha estadia para conhecer o ponto mais famoso de toda China e também patrimônio mundial da humanidade pela UNESCO (já está quase virando rotina, esse é o terceiro esse ano). Nos arredores de Beijing, eis que surge imponente, a Grande Muralha. Para defender o território de invasões, a Muralha da China foi construída durante várias dinastias (terminada, mais uma vez, na Dinastia Ming) e consiste de vários pedaços que ao todo somam entre 6 e 8 mil quilômetros de extensão.  A “obra” durou mais de um milênio e contabilizou milhares de vidas na luta contra condições precárias, fome e frio.

FullSizeRender-4
Entrada em Dingling

Depois do passeio por degraus irregulares, caminhos íngremes e panturrilhas em frangalhos, deixamos a muralha em direção a uma de um total de 13 tumbas de imperadores, chamada de Dingling.  Ali estavam enterrados um imperador, sua esposa e uma concubina, além de duas imperatrizes e seus tesouros, no que é conhecido como o palácio subterrâneo. Todos sabiam onde ficava a tumba, mas ninguém sabia onde ficava a entrada para o palácio e onde muitas riquezas estavam enterradas. Um segredo guardado a sete chaves para evitar saqueadores. E como os imperadores conseguiam manter o segredo? As tumbas eram construções exuberantes que necessitavam de grande mão de obra para ser finalizada. Como esperar o silêncio e a lealdade de tantos trabalhadores? Todos eles eram executados ou enterrados vivos no próprio local depois que a construção tinha sido finalizada. O segredo estava a salvo. Mais cedo ou mais taFullSizeRender-3rde a entrada secreta seria descoberta, e o palácio subterrâneo saqueado. Felizmente, os mausoléus lacrados em 1620 permaneceram intactos e seus tesouros preservados. Hoje vemos somente réplicas e os originais estão em posse do governo e em museus espalhados pela cidade.

Escrito por

Nascida na capital federal, morei nos EUA, Itália e atualmente me encontro no país mais populoso do mundo. Isso mesmo, estou morando na China, mais precisamente na cidade de Hefei. Sinta-se a vontade para procurar essa pequena cidade (para os parâmetros chineses) de mais de 7 milhões de habitantes no mapa. Sou formada em Física pela Universidade de Brasília e PhD em astrofísica pela universidade de Roma. Sempre ávida por dividir conhecimento, não somente no campo das ciências, mas também as minhas experiências pessoais , preferências literárias, etc. O leque é muito grande, então por simplicidade, digamos que gosto de debater sobre tudo e sobre nada, sobre qualquer coisa der na telha.

4 comentários em “Capital do Norte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s