Admiráveis mundos novos

Bilhões e bilhões de estrelas estão distribuídas no vasto universo em que vivemos. O que tem de especial com a nossa estrela? Hoje acreditamos que o Sol não possui nenhuma particularidade, nada de único, sendo, portanto, semelhante a milhões de estrelas universo a fora.  Por muito tempo durante a história, acreditou-se que o ser humano era especial e ocupava uma posição privilegiada no universo. Muitas batalhas e muito sangue derramado foi necessário para transformar o pensamento, ampliar as perspectivas e descentralizar a Terra. Revoluções protagonizadas por Copérnico, Kepler, Galileu e Newton mudaram o rumo da história e nos proporcionaram uma visão menos restrita do cosmos e da própria existência.

Atualmente, nada nos leva a pensar que o Sistema Solar é o único formado por planetas. Em 1995, foi detectado o primeiro planeta girando em torno de uma outra estrela semelhante ao Sol. Chamamos esses planetas que orbitam uma ou mais estrelas que não sejam o Sol de exoplanetas. Da mesma forma como acontece no Sistema Solar, os exoplanetas têm propriedades variadas e estuda-los nos proporciona um maior entendimento dos sistemas planetários em geral e de ambientes jamais explorados ou sequer imaginados.  O foco, contudo, é encontrar planetas semelhantes a Terra, orbitando uma estrela semelhante ao Sol e dentro da zona habitável. Isso quer dizer que a procura se concentra em exoplanetas orbitando dentro de um limite de distâncias específico com relação a sua estrela, possibilitando que temperatura proporcionasse água em estado líquido na superfície. Essa característica é fundamental para  surgimento da vida como a conhecemos.

452b_system_comparison
Crédito: NASA/JPL-CalTech/R. Hurt

A dificuldade de detecção ainda é o maior empecilho no estudo de exoplanetas, mas novas técnicas de observação estão em constante desenvolvimento. A sonda Kepler, lançada em março de 2009, faz parte do programa de descobrimento da NASA para detectar exoplanetas potencialmente habitáveis.  A sonda Kepler já detectou mais de mil exoplanetas até o presente. Esse ano, a Nasa anunciou a primeira descoberta de um planeta com tamanho próximo ao da Terra, dentro da zona habitável de uma estrela semelhante ao Sol. Sabe-se que Kepler-452b é um pouco maior que o nosso planeta, sua órbita é de 385 dias e ele está 5% mais distante de sua estrela que a Terra do sol.  Além disso, esse planeta está mais tempo na zona habitável da sua estrela que a Terra está na zona habitável do Sol. Ou seja, Kepler-452b possui características que possibilitariam o desenvolvimento da vida. Agora é esperar por novos dados para determinar melhor suas propriedades.

Como são feitas as detecções, por exemplo, de planetas tão distantes, pequenos, de pouca massa, baixa luminosidade? Essa não é uma tarefa fácil. O método utilizado pela sonda Kepler é conhecido como trânsito e é baseado em um fenômeno simples:  quando o planeta passa na frente da estrela do ponto de vista de um certo observador (a sonda, nesse caso) causa uma pequena alteração no brilho da estrela.  Esse mesmo fenômeno é observado, por exemplo, em eclipses solares, no qual a radiação solar é bloqueada pela Lua. É importante salientar que nem todos os planetas apresentam trânsito, pois, em relação a observadores na Terra, podem nunca passar na frente de suas respectivas estrelas. Existem porém outros métodos de detecção e outros experimentos em andamento nessa intrigante missão na busca pela origem da vida no universo.

Escrito por

Nascida na capital federal, morei nos EUA, Itália e atualmente me encontro no país mais populoso do mundo. Isso mesmo, estou morando na China, mais precisamente na cidade de Hefei. Sinta-se a vontade para procurar essa pequena cidade (para os parâmetros chineses) de mais de 7 milhões de habitantes no mapa. Sou formada em Física pela Universidade de Brasília e PhD em astrofísica pela universidade de Roma. Sempre ávida por dividir conhecimento, não somente no campo das ciências, mas também as minhas experiências pessoais , preferências literárias, etc. O leque é muito grande, então por simplicidade, digamos que gosto de debater sobre tudo e sobre nada, sobre qualquer coisa der na telha.

Um comentário em “Admiráveis mundos novos

Deixe uma resposta para Raphael Guimarães Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s